Hoje é nosso ultimo dia na Ásia e em breve estaremos de volta a Europa. A decisão de terminar a viagem veio como algo natural, como parte de um processo. Nós começamos essa jornada querendo imergir e conhecer tudo sobre essas culturas tão ricas e diferentes da nossa, mas depois de certo tempo percebemos que isso já não era suficiente e sentimos a necessidade de ser úteis e dar algo em troca, foi quando decidimos nos tornar voluntários (e nessa pequena cidade de Sapa nós aprendemos muito mais sobre a cultura do Vietnã do que viajando por um país inteiro). Se a gente continuasse viajando provavelmente essa jornada continuaria evoluindo e se transformando com a gente. Mas o budget é limitado, o futuro é incerto, e voltar e reconstruir nossas vidas nos pareceu ser o projeto certo para assumir agora.

Mas apesar de entender que é hora de nos preparar para o retorno a vida profissional, é difícil dizer adeus. Esse tempo viajando foi um imenso presente da vida, e como alguém nos disse, nós de certa maneira pudemos viver diferentes vidas em um curto período de tempo.  Aqui nós descobrimos e aprendemos sobre tantas coisas diferentes, mas principalmente nós redescobrimos a nós mesmos.  Estar fora da nossa bolha nos ajudou a lembrar que a vida e os papéis que escolhemos e assumimos são uma condição e não definição do que somos.  É estar, não é ser. Nós podemos continuar vivendo as nossas vidas como antes, ou podemos mudá-las, as duas opções são totalmente válidas. Mas nunca devemos ser prisioneiros de uma ideia limitada de nós mesmos.  Nós podemos ser tantas coisas diferentes e podemos viver a mesma vida sob diferentes perspectivas. E devemos reconhecer e aceitar a nossa natureza mutante (e claro, ser flexíveis para nos adaptar as mudanças do mundo exterior, já que não se trata só de nós mesmos).

Então terminamos essa viagem nos sentindo agradecidos por ter conhecido todas as pessoas interessantes e gentis que cruzaram os nossos caminhos, por termos vivido todos esses choques culturais, por termos passado por todos os acontecimentos inesperados durante os últimos meses. Tudo isso nos ensinou muitas coisas e são parte do que somos agora e serão parte do que seremos no futuro.